Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2004

crítica: the hitcher II - i've been waiting

não dêm boleia a este gajo

um filme de louis morneau
com kari wuhrer, jake busey e c. thomas howell
estados unidos, 2003 imdb

contas para pagar. a babysitter dos putos. a mensalidade do ginásio. a limpeza da piscina. se pensam que the hicher era o último filme a precisar de uma continuação releiam as frases anteriores. toda a gente precisa de comer e não é como se as carreiras do produtor charles r. meeker e do actor c. thomas howell estivessem propriamente em trajectória ascendente.

passaram quinze anos desde que jim halsey (howell) deu boleia a john ryder, despoletando os eventos do primeiro filme. jim tentou lidar com o trauma tornando-se policia mas o seu dedo é um pouco rápido demais no gatilho quando lida com psicopatas. quando mata um raptor de crianças a sangue frio os seus superiores decidem mandá-lo dar uma volta. e é o que ele faz, na companhia da namorada maggie (wuhrer), pela mesma estrada onde se desenrolaram os momentos traumáticos do seu passado. e depois, durante a viagem, maggie tem a brilhante ideia de dar boleia a um estranho.

o principal problema é que já vimos este filme. em bom. não fosse a presença de howell e um ou dois rápidos flashbacks ao original e isto era mais um remake do que uma sequela. com apenas alguns pequenos desvios (e um grande a meio que não vos vou estragar) estamos a ver exactamente a mesma coisa outra vez. menos as surpresas, a inquietação e o rutger hauer. acho que apesar da debilidade do guião a presença do original assassino da auto-estrada podia ter elevado isto uns furos. o john ryder era um cabrão assustador. o jack deste filme é um psycho-by-the-numbers, interpretado por busey de uma forma demasiado óbvia e estereotipada para transmitir qualquer tipo de ameaça. há pessoas onde eu trabalho que metem mais medo do que ele. o facto de o guião não explicar se há ou não alguma ligação entre os dois assassinos também não ajuda. é suposto acreditarmos que, por uma estranha coincidência, quinze anos depois o mesmo tipo dá boleia a um psicopata diferente que também anda à boleia. certo.

o realizador louis morneau, responsável pelo atroz bats, faz um trabalho competente, conseguindo manter um bom ritmo e dar um ar polido ao que é basicamente uma produção baratucha realizada para o mercado de vídeo. a cena de abertura está particularmente bem conseguida e chegou a dar-me algumas esperanças (que duraram tipo dez segundos). c. thomas howell veste bem a pele de um jim halsey envelhecido e paranóico, mas as figuras centrais do filme são busey e kari wuhrer que, apesar de ficar bem de camisola de cavas e carabina em punho, não podia fazer mais com o seu papel mesmo que quisesse.

nunca esperei que esta continuação fizesse justiça ao original, mas mesmo assim fiquei desapontado. é uma coisa anónima que se começa a esquecer ainda antes de acabar. aliás, tenho a certeza que havia mais qualquer coisa que vos queria dizer mas passou-me completamente.

3/10
(porque a kari wuhrer fica mesmo bem com aquela camisola de cavas)
jorge

publicado por jorge às 20:21
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2005

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. o zombie faz hoje anos

. onde raio se meteu o zomb...

. o zombie não é surdo

. prémios lumière

. o zombie já viu: finding ...

. what about you, boy? you ...

. críticas de bolso: teenag...

. larry buchanan 1923-2004

. uma noite com ilsa

. críticas de bolso: night ...

.arquivos

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

SAPO Blogs

.subscrever feeds