Quinta-feira, 22 de Julho de 2004

crítica: se sei vivo spara

...

um filme de guilio questi
com tomas milian, marilú tolo, roberto camardiel e patrizia vulturri
itália, 1967 imdb
aka django, kill... if you live, shoot!

mas não liguem muito ao aka, porque, tal como em dezenas de outros westerns da altura, o nome django no título não é mais do que um isco de pesca de espectadores. se entre essas dezenas, muitos não passavam de reles imitadores, o mesmo não se pode dizer de se sei vivo spara. primeiro, não é reles; segundo, não é imitador. o filme de guilio questi nada tem a ver com o filme de corbucci. claro, podemos sempre pegar pela dinâmica do enredo (dois bandos rivais, muito ouro e um estranho pelo meio) e associá-lo a django, que depois levaria a a fistful of dollars e lá entrávamos nós na árvore genealógica do género… para quê? não vale a pena, porque se sei vivo spara tem muito mais que se lhe diga.

a narrativa arranca com a traição e execução do estranho pelo seus companheiros, que fogem com o ouro e o deixam numa vala comum no deserto. no entanto, o estranho não levou os tiros nos sítios certos e sobrevive. escava a sua saída da sepultura e parte em perseguição dos traidores. quando chega à cidade mais próxima, descobre que a população, liderada por tembler e hagerman, já tratou de os enforcar. esses dois, entretanto, apoderaram-se do ouro e dividiram-no entre eles. para complicar, aparece ainda um rancheiro mexicano chamado zorro, também interessado no ouro, mas ninguém se descose quanto ao paradeiro desse tesouro.

a riqueza simbólica e temática de se sei vivo spara é uma das suas características mais eminentes. o estranho "ressuscita" depois da sua execução pelos companheiros e, mais tarde, é torturado na posição da cruz; a fita na cabeça é a sua coroa de espinhos. os homens de zorro, nas suas vestes pretas, são alusões aos fascistas de mussolini e os seus traços de personalidade convergem para a sua homosexualidade sádica e perversa.

se django já é um bom exemplo da absorção de elementos atmosféricos do horror gótico pelo western, se sei vivo spara será, com toda a certeza, um dos melhores: uma pálida mulher vestida de branco vive presa pelo marido num sótão; um homem, depois de alvejado por balas de ouro, mas ainda vivo, morre quando terceiros lhe rasgam o peito com as próprias mãos em busca das balas; o final é servido segundo receita de edgar allan poe... tudo no filme de questi ajuda a construir um art movie intelectual, bizarro, surreal, violento e singular dentro do género.

(9/10)
marco

publicado por jorge às 11:49
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2005

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28


.posts recentes

. o zombie faz hoje anos

. onde raio se meteu o zomb...

. o zombie não é surdo

. prémios lumière

. o zombie já viu: finding ...

. what about you, boy? you ...

. críticas de bolso: teenag...

. larry buchanan 1923-2004

. uma noite com ilsa

. críticas de bolso: night ...

.arquivos

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds